quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Voltando às minhas neuroses

Bem, não me lembro onde parei da ultima vez que falei de minhas neuroses, porem vou contar mais um pouco da minha vida, para quem sabe a gente possa entender o porque? desse medo.

Casei-me aos 25 anos e engravidei lá pela metade dos 28, estávamos felizes demais, éramos loucos por crianças e essa era muita desejada. Então com três meses de gestação perdi meu primeiro bebe, foi uma dor nunca imaginada, sim porque eu na minha ignorância achava que quando uma mãe abortava não devia ser tão difícil, afinal o bebe nem nascera! Só mesmo passando por isso pra saber, parecia que tinha perdido um pedaço de mim, nunca consegui esquecer aquele dia, com todos os detalhes e também lembro-me de ter imaginado "Um dia passarei por aqui com meu filho nos braços". depois sofri mais dois abortos e então Deus me presenteou com três filhos. Só que... o medo que sinto de que algo de mau aconteça a eles é tão grande! tão absurdo! que dói minha alma.

Um comentário:

Izabel disse...

Fico pensando, como somos seres único mesmo, por mais que saibamos, ou convivamos com uma pessoa, podemos conhece-la. Mas 100% não dá. Porque o sentimento, a dor de cada um, só ela sabe o tamanho. Por isso devemos respeitar a dor nossa e do nosso irmão, mesmo pensando que é do tamanho de uma gota para nós. Mas para aquele ser naquele momento, dependendo do seu equilíbrio pode ser um oceano.Hoje tenho noção, que perder um filho. é a dor maior para uma mãe consciente.Tu também és guerreira minha irmã. Beijos.